21 de out. de 2017

Terminologia I

A comunidade intersexo é relativamente nova. Pessoas intersexo tiveram sua existência historicamente apagada ou transformada num tabu por não se enquadrarem totalmente nos dois sexos mais comuns e definidos como normais.

Junto com a comunidade trans, que acolheu intersexos por dividirem sofrimentos muito similares, a comunidade intersexo criou nomenclaturas e reformulou conceitos para trazerem uma visão diferente sobre o que foi sempre definido socialmente como sexo biológico e como gênero. Vale lembrar que nem todos os termos aqui podem ser conhecidos pelo mundo.


Intersexo: pessoa que tem um sexo biológico que não se encaixa no padrão binário determinado pela comunidade científica, tendo um sexo considerado indefinido ou que mistura características dos perissexos. Existem pelo menos 40 variações intersexos registradas.
Perissexo: pessoa que tem um sexo biológico que se encaixa no padrão binário determinado, ou seja, ou são do "sexo feminino" ou do "sexo masculino". Pessoas perissexo podem ainda ser chamadas de diádicas ou endossexos em outras fontes.
Altersexo: termo utilizado principalmente, mas não exclusivamente, para personagens da ficção que possuem um sexo que não existe naturalmente ou que modificaram o sexo por algum motivo. Pode ser usado por pessoas que: são intersexo e transgênero, alteraram sua genitália ou fizeram alguma terapia hormonal, ou têm uma visão de que seu "verdadeiro" corpo não se encaixa nos sexos binários. Dois exemplos de altersexo são salmaciane/bigenital (pessoa que deseja uma genitália mista) e angenital (pessoa que não deseja ter genitália ou um sexo).
Sexo biológico: composto por cromossomos sexuais, hormônios, gônadas e genitália. Naturalmente as pessoas podem ser classificadas como perissexo ou intersexo. A ciência atual classifica pessoas perissexo em sexo feminino e sexo masculino.
Sexo feminino: para a ciência é a fêmea típica da espécie humana. Esse sexo é definido por cromossomos XX, presença de ovários e útero, genitália vaginal, níveis "aceitáveis" de progesterona e estrogênio, e os desenvolvimentos hormonais esperados.
Sexo masculino: para a ciência é o macho típico da espécie humana. Esse sexo é definido por cromossomos XY, presença de testículos, genitália peniana, níveis "aceitáveis" de testosterona, e os desenvolvimentos hormonais esperados.
Terceiro sexo: há países que designam bebês intersexo (ou com uma genitália ambígua) como um terceiro sexo (ou gênero). É uma definição considerada discriminatória, pois reduz todas as variações intersexuais a um único sexo. Num entanto, dependendo do país e sua legislação, pode trazer o benefício de evitar cirurgias "corretivas" nos bebês.
Diadismo: toda opressão e discriminação estruturais cometidas diretamente contra pessoas intersexo. O preconceito específico contra esse grupo é a intersexofobia.
Mutilação genital: é como a comunidade intersexo chama as cirurgias feitas em bebês intersexos. Há casos em que é necessária uma intervenção médica, mas cirurgias são impostas muito mais pelo pensamento diadista de que a genitália intersexual é deformada e que é necessário corrigi-la para poder identificar o bebê como um dos gêneros binários. Uma das pautas da militância intersexo é ter autonomia sobre seu corpo, pois defendem que seu sexo é natural e aceitável.
DDS: sigla de "desordens de desenvolvimento sexual" é um termo médico utilizado para definir toda variação de cromossomos sexuais, gônadas e anatomia consideradas atípicas. As variações intersexuais são englobadas pelo termo, e por isso ele não é aceito pela comunidade intersexo.
Ipsogênero: termo para pessoas intersexo que se identificam com o gênero designado a elas, seja masculino ou feminino. Serve como um diferencial de cisgênero devido ao preconceito estrutural sofrido por pessoas intersexos, que não permite que tenham os mesmos privilégios e aceitação que pessoas cisgênero(-perissexo).
Intergênero: uma identidade de gênero influenciada ou definida pela intersexualidade da pessoa. Pode ser apenas uma descrição da pessoa se definir como de um gênero por ser intersexo (então aqui pode-se incluir pessoas ipso e trans binárias), ou também uma identidade não-binária específica.
Segue abaixo seis identidades de gênero influenciadas por intersexualidade.
Duogênero: descreve uma combinação dos gêneros binários.
Amalgagênero: um gênero afetado pela intersexualidade ou misturado com a identidade intersexo da pessoa.
Divisigênero: um gênero totalmente separado dos binários.
Neutroix: um gênero neutro.
Vacagênero: descreve uma ausência de gênero.
Ingênero/Interagênero: descreve a incapacidade de sentir gêneros.
Resbis: pessoa intersexo em conflito com seu gênero e tentando se reconciliar com ele. Ou quando a pessoa já teve esse conflito e agora está em harmonia com seu gênero.
Ultergênero: termo para pessoas intersexo que não se identificam com o gênero designado a elas, mas também não querem utilizar o termo transgênero por não se sentirem contempladas por ele devido a sua experiência como intersexo. Intergênero poderia ser encaixado como um tipo de identidade ulter.
Hermafrodita: antigamente era utilizado para definir pessoas intersexo. No entanto, pelo conceito e pela estigmatização consequente, o termo não é mais utilizado. Hermafroditismo é uma condição sexual presente em outras espécies da natureza, onde um ser vivo possui características sexuais tanto de macho quanto de fêmea, podendo também se reproduzir assexuadamente. Tal condição nunca foi encontrada na espécie humana.



Nenhum comentário:

Postar um comentário